sexta-feira, 25 de novembro de 2011

O TIC TAC DOS ANOS (Crônica)


Ela sentia vergonha de seu corpo, especialmente quando se encontrava no elevador com a loira do último andar. Essa loira de cinturinha espremida num cinto caríssimo e blusa apertada destacando os seios.


Sim, Rosália sentia vergonha de seu corpo. Nos últimos dois anos havia crescido, crescido para os lados, logicamente. Aumentaram a sua cintura, abdômen e seios. Ela fugia dos espelhos. Isabel, a sua amiga filósofa, dizia que era o crocodilo do tempo, esse que carrega um relógio. Esse relógio carregado pelo grande sáurio na terra do Peter Pan, onde o tempo não passa.

E o crocodilo do tempo seguia Rosália com seu horrível tic tac. Com sua passagem inexorável, acentuava-se a lei da gravidade. Os seios pareciam chegar ao abdômen e a linda bundinha empinada dos 20 anos agora descia até os joelhos. O tempo é cruel, pensou Rosália. Os gregos, muito sábios, haviam-no imaginado com uma foice. Cronos era o ceifador. Ele acaba com a festa da juventude, com a alegria da pele forte e lisa – era preciso habituar-se a essa imagem que ela não desejava para si mesma ou... mudar. Ela sempre havia criticado as mulheres que apelavam, mas nesse dia pegou o telefone e ligou para sua cunhada Natália: “Olá, querida. Você pode me dar o número de telefone daquele cirurgião plástico que apagou vários anos de teu corpo?”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...