quinta-feira, 28 de julho de 2011

OFICINA COMO ESCREVER ROMANCES



Iniciará em 03 de agostos (e será ministrada as 4º feiras) a oficina "COMO ESCREVER ROMANCES", no Solar do Rosário, rua Duque de Caxias, 04, Largo da Ordem.
Fone (41) 3225-6232.

A oficina procura orientar os participantes para que possam escrever romances: análise de personagens, a procura da voz do escritor, técnicas de estilo, considerações sobre o enredo, tempo e espaço no romance.

Duração: 3 meses.
E-mail: isabelfurini@hotmail.com

quarta-feira, 27 de julho de 2011

PALAVRAS DA ARTISTA E DA DIARISTA



Era uma reunião como tantas outras. Mulheres falando, homens grudados aos copos de cerveja, jovens falando de música e crianças correndo. Numa dessas conversas escutei alguém dizer a uma senhora idosa: “Somos um grupo de artistas plásticas que nos reunimos uma vez na semana, e algumas também escrevem poesia”. Gostei da ideia, fiz várias perguntas e ela respondia com entusiasmo. - Pintam pior do que macacos - disse o marido dela rindo. Ele é um piadista, esclareceu a mulher.

Na terça-feira fui até o atelier. Subi a escada e no primeiro andar vi várias portas fechadas. Qual seria? Perguntei a um rapaz que caminhava pelo corredor com uma carta na mão. - Não conheço artistas plásticas neste prédio, respondeu.

- Elas se reúnem só uma vez na semana.

- Ah! Você disse artistas? Artistas! Hahaha. É um grupo de velhas gagás. É na última porta, do lado direito.

Caminhei até o final do corredor, bati à porta e abriram, lá estavam as idosas. Desculpem, lá estavam as artistas plásticas. Nesse momento a frase do marido da Teresa, “pintam pior do que macacos”, não me pareceu uma piada, pareceu-me um simples comentário. E a declamação de poemas... Céus! Melhor nem falar. Olhei para a professora de pintura, tinha um sorriso de bonomia no rosto, como quem diz: fazer o quê? A professora disse que o importante na terceira idade é fazer algo para manter-se ativo, para manter-se jovem. Elas não eram artistas, mas se sentiam artistas.

Eu acho interessante a pessoa dedicar o seu tempo a praticar alguma arte. Mas penso que um pouco de humildade daria brilho a esses quadros, porque é muita pretensão falar “somos um grupo de artistas plásticas que se reúne uma vez na semana”, seria melhor dizer: somos um grupo de interessadas em arte, ou de aprendizes, ou de alunas de arte. Porque “artista”, essa palavra para mim (talvez seja só para mim) tem uma conotação de certo grau de domínio de alguma das artes, e os trabalhos eram de aprendizes. Essa é minha opinião. Mas como disse minha diarista “opinião é como bunda, cada um tem a sua”.

Crônica de Isabel Furini publicada no ICNews.

domingo, 24 de julho de 2011

O medo do Passarinho (Poema Infantil)




-Piu piu piu
O passarinho canta,
mas não sai do ninho.

Piu piu piu
O passarinho é pequeninho,
fica deitado
tem medo de cair do telhado.

Piu piu piu
A mãe o chama:
“Pare de cantar, é hora de voar...”

O passarinho sai do ninho,
olha ao redor e seu susto é bem maior.

Tantas chaminés, tantos prédios altos,
tantos balcões, escadas,
buzinas, lombadas, carros e fumaça.

O passarinho corre para o ninho
e esconde a cabeça
embaixo da almofada.

Piu piu piu
A mãe o chama outra vez:
“É hora de ver o mundo,
meu filhinho...”

O filhote não quer saber
quer ficar quentinho.
Mas a mãe o empurra
para fora do ninho...

E faz um voo rápido
para o filho entender
que chegou a hora de aprender.

O passarinho olha
as asas da mãe tão acolhedoras,
são asas voadoras.

Piu piu piu
A mãe o chama,
os irmãos clamam:
“Você é covarde!”

O passarinho toma uma decisão,
fecha os olhos,
dá um pulo e estica as asas.

Abre os olhos e nem acredita
já está voando... voando
entre as árvores da praça.

O passarinho perde o medo,
voa alto, voa rápido,
faz cambalhota no ar.
Vai para cima, vai para baixo.
Como é bom voar!

Piu piu piu
Volta ao telhado,
escuta os aplausos
dos irmãos.
A mãe lhe dá um abraço.

O passarinho pensa:
“O ninho é bom, mas voar é melhor!



Poema de Isabel Furini - publicado no Bondinho dos Livros.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Passageiros do Espelho





A coletânea de contos tem a característica de respeitar o estilo de cada autor. Podemos então nos deleitar com os retratos muito bem elaborados por Bruno Camargo Manenti. Outros de alta dramaticidade, entre eles os trabalhos de Alessandra Pajola, Alessandra Magalhães, Fernando Scaff Moura, Sônia Cardoso e Zeltia G. Não falta uma visão do mundo espiritual feita pela professora Natália Bueno. Já o escritor Fernando Botto lembrou a infância e Maria Edna fala da idade madura. Elayne Sampaio e Ricardo Manzo nos levam por caminhos inesperados. Fernando Scaff Moura nos empurra para uma época de horrores que ainda está viva na memória da América Latina.

Na apresentação de “Passageiros do espelho”, José Feldman, da Academia de Letras do Paraná, fala: “Morremos e renascemos a cada conto. A cada espelho. Nos vemos confiantes, solitários, agoniados, suicidas, aliviados, tristes e alegres. Somos vários espelhos, mas ao final, apenas um”.

A escritora e poeta Adélia Maria Woellner escreveu no prefácio: “Os ‘passageiros do espelho’ rompem silêncios, oferecendo suas histórias, seus devaneios, seus encantos, os arcanos da imaginação”.

Fortalece esse trabalho a colaboração especial do escritor, professor e crítico literário Miguel Sanches Neto, que nos convida a fazer uma “Viagem de Volta”.

Nas orelhas do livro a atriz, radialista e escritora gaúcha Ângela Reale destaca que no livro penetramos “em mundos tão diversos, em encontros inusitados, sonhos desfeitos, amores de longe e de perto, saudades, morte e vida”.

Cada um dos contos é como um reflexo do acontecer. É a vida que se espelha na construção ficcional. Múltiplas manifestações construindo ninho nas palavras – e nos silêncios.
Esse trabalho começou em fevereiro deste ano, quando a Editora Íthala nos convidou para organizar uma coletânea de contos com alunos e ex-alunos da oficina “Como Escrever um Livro”, que ministramos no Solar do Rosário, o espaço criado pela doutora Regina Casillo. Como o número de participantes era limitado, falamos com os alunos do curso do primeiro semestre. Nem todos estavam dispostos a embarcar na aventura de escrever, reescrever e publicar. Alguns decidiram que ainda não estavam preparados ou que não podiam dedicar muito tempo a esse trabalho. E respeitamos a decisão de cada um deles.

Foi então o momento de falar com alguns ex-alunos com os quais mantemos contato pelo e-mail, como é o caso do escritor e professor Fernando Botto. Ele morou um tempo na Angola e, muito gentil, procurou-me quando voltou a Curitiba para que eu autografasse alguns exemplares de “O Livro do Escritor” para enviar a seus amigos angolanos. Também mantivemos contato com a jornalista e professora Alexandra Pajola, que participou da oficina e tem paixão pela escrita. Alessandra Magalhães e Natália Bueno, cada uma com seu estilo, destacaram-se durante as oficinas, e sempre enviam e-mail falando de seus novos trabalhos. Com Sonia Cardoso foi um encontro casual na recepção da Biblioteca Pública do Paraná. Ela já havia publicado um romance e estava iniciando outro trabalho literário quando eu fiz o convite para participar da antologia. Sonia aceitou imediatamente. Ela havia participado de uma oficina de contos que eu ministrei no Delfos, e tinha vários contos escritos. Uniu-se ao grupo minha amiga Sandra Rey Mosteiro, cujo pseudônimo é Zeltia G. Ela mora na Espanha, país onde edita a revista ZK 2.0.

O convite ao escritor Miguel Sanches Neto também surgiu espontaneamente. Ele havia sido meu entrevistado, e eu gostei muito da honestidade de suas respostas, além de admirar seus trabalhos como “Chove sobre minha infância” e “Venho de um país escuro”.

Os trabalhos foram árduos. Eu sei que o crítico acha que poucos trabalhos têm verdadeiro valor, mas eu quero mostrar os passos de um livro do ponto de vista do escritor. Escrever, reescrever sabendo que é impossível agradar a todos, mas cinzelando os contos com paixão. Só faltava uma boa apresentação para o nosso livro.

A poeta Adélia Maria Woellner, pessoa despojada de vaidade, disse humildemente que escreveria, mas que se não gostássemos do prefácio, poderíamos ficar à vontade para escolher outra pessoa. Adélia é membro da Academia de Letras, e ficamos comovidos com a sua humildade. José Feldman, que apresenta o livro, é escritor, poeta e presidente da Academia de Letras do Paraná. Faltava só escrever as orelhas. Era um trabalho que eu pessoalmente não queria fazer, porque, além de organizar a coletânea, dois contos de minha autoria estavam lá, e acho triste quando a mesma pessoa organiza, escreve, prefacia, apresenta, faz as orelhas... Dá a sensação de orquestra de uma pessoa só. Eu gosto da diversidade. Gosto de olhares diferentes. Então solicitei a participação da atriz e cronista Angela Reale. Por fim, o trabalho estava tomando forma. LANÇAMENTO O lançamento de “Passageiros do Espelho” será em 26 de julho, a partir das 19 horas, no Palacete dos Leões, na Rua João Gualberto, 530, em Curitiba. A entrada é franca. Os interessados podem solicitar o convite pelo e-mail: isabelfurini@hotmail.com
Será um prazer compartilhar esse momento com pessoas que amam a literatura.

domingo, 17 de julho de 2011

Homem grávido?

O casal feliz, de mãos dados, abre a porta de vidro, entra no prédio e encontra dona Belinda, a idosa do primeiro andar, sentada numa poltrona da recepção olhando para fora, enquanto o porteiro lê o jornal.

– Tudo bem?
– Felizes, dona Belinda, estamos grávidos.

A senhora Belinda olha um pouco confusa e retruca:
– Quer dizer que você está grávida, Leonor?
– Não, isso é coisa antiga, agora é o casal que está grávido.
– Os dois estão grávidos? Homens também ficam grávidos? – pergunta dona Belinda com os olhos esbugalhados.
– Também! – Leonor exclama risonha e olha para o maridão com aquele rosto de “ele é o melhor do mundo, ele é um príncipe” que, geralmente, vai esmaecendo aos poucos e transformando-se num olhar mais parecido com “bem que minha mãe falou para não me casar com ele. Casei com um sapo”.
– E homem pode ter enjoo matinal? – pergunta dona Belinda levantando-se trabalhosamente da poltrona.
– Pode.

A velha pega a bengala, depois olha o casal, mexe a cabeça para os lados e com raiva murmura:
– Então eu quero ver um homem morrer no parto.

Crônica de Isabel Furini

domingo, 10 de julho de 2011

3º CONCURSO DE POESIA “POETIZAR O MUNDO”

































O poeta e escritor Cyl Gallindo e o bilbiotecário e animador cultural José Domingos de Brito serão homenageados com placa ou troféu comemorativo.



3º CONCURSO DE POESIA “POETIZAR O MUNDO” – Modalidade: Minimalista
Organizadora: escritora e poeta Isabel F. Furini, autora de O Livro do Escritor.

1) O Concurso de Poemas tem como objetivo estimular a produção literária e é destinado a todas as pessoas maiores de 18 anos que apresentem um poema minimalista inédito e escrito em português.

2) O tema é livre, a inscrição é gratuita e poderá ser feita até 30 de setembro /2011.

3) Cada concorrente poderá participar com apenas um poema minimalista (até 5 versos ou linhas) inédito (ou seja, ainda não impresso em papel, nem publicado na internet), que não tenha sido premiado em outro concurso.

4) Consideram-se inscritas as obras enviadas pelo e-mail: isabelfurini@hotmail.com
Em "assunto": 3º Concurso de Poesia: "Poetizar o Mundo".
Poema no corpo do e-mail, sem anexo, escrito em língua portuguesa, digitado em espaço 2 (dois), com fonte Arial, tamanho 12 (doze).

6) Deverá constar no final: o título do poema, nome completo do autor, seu endereço, e-mail, telefone, RG, e 4 ou 5 linhas de currículo.

7) A comissão julgadora será composta pelo professor, poeta e escritor Alvaro Posselt e pela poeta Maria Edna Holer de Oliveira, autora do livro “Alvorecer da Poesia”, pela editora Protexto de Curitiba.

8) Premiação: o primeiro lugar receberá troféu e diploma. O segundo e terceiro lugares receberão diplomas. Poderão ser escolhidas até três Menções Honrosas, que também receberão diplomas.

9) O resultado do concurso será divulgado em sites literários da Internet e no blog: http://www.isabelfurini.blogspot.com/ - e Falando de Literatura, do Bonde News.

10) O resultado será divulgado até 10 de novembro/11. Na ocasião, também serão homenageadas com placa comemorativa duas personalidades do mundo das letras: o bibliotecário José Domingos Brito, organizador das Antologias Como Escrever e Por que Escrever, e o poeta e escritor Cyl Gallindo da Academia Pernambucana de Letras.

11º) O encaminhamento dos trabalhos na forma prevista neste regulamento implica concordância com as disposições nele consignadas.

Os troféus e placas foram doadas pela poeta Maria Edna Hole de Oliveira.
********

sábado, 2 de julho de 2011

1º Concurso Internacional Poetizar El Mundo

Primer Concurso Internacional “POETIZAR EL MUNDO” Modalidad: Prosa poética


1) El Concurso de Prosa poética tiene como objetivo estimular la producción literaria y está destinado a todas las personas mayores de 18 años, de cualquier nacionalidad, que vivan en cualquier lugar del mundo y que presenten su trabajo de prosa poética escrito en español.

2) El tema es libre y la inscripción es gratuita. Podrá ser hecha hasta el 15 de septiembre de 2011.

3) Cada participante podrá presentar solo un trabajo de prosa poética que tengan hasta 300 palabras, que sea inédito, o sea, que nunca haya sido impreso en papel, ni publicado en Internet, ni premiado en otro concurso.

4) Se considerarán inscriptas las obras enviadas al e-mail: isabelfurini@hotmail.com Primer Concurso “Poetizar o Mundo” Prosa poética. En el cuerpo del e-mail, sin anexos, escrito en lengua castellana, mecanografiado a doble espacio, con fuente Arial, tamaño 12 (doce).

6) Deberá constar al final: el título del poema, nombre completo del autor, su dirección (incluyendo ciudad y país), e-mail, teléfono y en 4 o 5 líneas, su currículum.

7) La comisión será compuesta por la poetisa Zeltia G., editora de la revista virtual ZK 2.0 y por el escritor Don Eduardo Jaime Carbajal Olate, colaborador de dicha publicación.

8) Premios: el primer lugar recibirá una medalla con su nombre grabado y diploma. El segundo y el tercer lugares recibirán diplomas. Podrán ser escogidas dos Menciones de Honra, que también recibirán diplomas.

9) El resultado del concurso será divulgado en Sites literarios de Internet, en el blog: http://www.isabelfurini.blogspot.com/ y en la revista ZK2.0, editada por la poetisa Zeltia G.

10) El resultado será divulgado el 25 de octubre de 2011. En esa ocasión también será homenajeada con una placa conmemorativa, la escritora Magda R. Martín, autora de los libros: El piano de cola y Nuestra casa (La casa de la mimosa).

11º) La participación de las obras se formalizará según lo previsto en este reglamento, lo que implica la aceptación de las disposiciones en él designadas.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...