sexta-feira, 20 de julho de 2018

A Folha - Poema de Isabel Furini



A FOLHA

Ao rasgar a folha
o poeta espalha as letras
dos versos
entre galáxias
de possibilidades poéticas.

Isabel Furini

Ser odiado? Poema de Isabel Furini



SER ODIADO?

A vantagem de ser odiado
é que depois de morto,
você será lembrado.
Pois enquanto o carinho é morno,
o ódio é tão ardente quanto o fogo.

Isabel Furini

A mão misteriosa - poema de Isabel Furini



A MÃO MISTERIOSA
os monstros são tenazes
como o vento
fogem na Lua Nova
e inundam as cidades
de tristeza e de dor

mas às vezes
surge do invisível
uma mão misteriosa
acalma o músculo cardíaco
e diminui o terror

é uma mão amiga
suave como uma rosa
será a mão de um anjo
ou a mão de Deus?

Isabel Furini

domingo, 15 de julho de 2018

Portas - Poema de Isabel Furini




PORTAS

Nunca se submeta, poeta!
jogue fora as muletas 
da autocomiseração

prestígio? reconhecimento? glória?
a abertura dessas portas ilusórias
é aleatória
pois a vida  é uma roleta

só as cartas de tarô
revelarão o nome do poeta 
capaz de corroer 
as oxidadas fechaduras 
e de abrir as portas.

Isabel Furini



terça-feira, 10 de julho de 2018

ASAS - Poema de Isabel Furini

Em 2016,  visitei pela segunda vez Seattle (USA) e as cidades vizinhas. Estava caminhando perto do lago de Kirkland e tirando fotografias, quando vi esse corvo levantando as asas. Parecia uma imagem mágica. Nessa região essa ave é comum. Mas nunca havia visto um corvo nessa postura. O corvo levantou as asas e ficou alguns segundos imóvel, com corpo erguido e as asas abertas. Projetava uma sombra sobre o chão. Parecia uma pessoa tentando reerguer-se de seu passado.

Abri a bolsa, e procurei a caneta e a agenda. Surgiu esse poema:


ASAS

as gárgulas do medo
açoitavam minha vida
mas um poder dormido
acordou de repente
e me fez deixar o ninho

nunca mais
oxidarei minhas horas
com tristes pensamentos
minha alma é poderosa
levantarei a cabeça
abrirei minhas asas
e desafiarei o vento.

Isabel Furini

quinta-feira, 5 de julho de 2018

O bolo cor de rosa - Poema infantil de Isabel Furini


Esse bolo cor de rosa
eu amo de coração!
A avó terminou o recheio
e falou: - Netinha, por favor,
preciso de sua opinião.

- O recheio é muito saboroso!
Eu falei para a vovó.

E posso contar a verdade:
- É uma bela combinação.
O bolo tem morango e creme
e a avó fez com muito amor.

Isabel Furini

Arte digital de Isabel Furini

terça-feira, 3 de julho de 2018

O elefante cozinheiro: Poema infantil de Isabel Furini



O elefante decidiu
fazer um curso de verão.

O curso foi ministrado
por um cozinheiro sofisticado.

O elefante fez o curso
e seu paladar mudou.

Agora ele gosta de folhas com melão
e de de bolinhos de arroz.

Isabel Furini

Fotografia de Isabel Furini

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...