sábado, 31 de maio de 2008

VOCÊ GOSTA DE ESCREVER?

Orientei a Oficina "Como Escrever um Livro", no Solar do Rosário, em Curitiba, durante 15 anos. Nas aulas observei a luta dos alunos para criar um bom texto.

Escrever parece um ato de magia. A criação literária é como a frágua de Vulcano. Escrever nunca é morno. Escrever é angústia, raiva, incêndio, esperança, fingimento e desespero. É criar castelos de areia com palavras e temer a ventania.

Escrever é emoção primitiva, instinto de auto-expressão. É gritar, usando corretamente a linguagem. É, então, grito medido, sofisticado – chamo isso de fingimento – pois é grito visceral, mas contido. Educado para expressar-se através de figuras estilísticas, discursos e silêncios, focos narrativos e personagens.

Escrever é colocar rédea nos cavalos da emoção. Civilizar a cólera. Contê-la para não expor em demasia esse eu paradoxal que deseja expressar-se e ora aparece, ora volta-se sobre si mesmo. Escrever é, às vezes, um ato de coragem e outras, um ato de estupidez. Mas sempre uma busca de catarse. O texto é o produto do transbordar de um eu – Netuno, escondido nas águas do inconsciente. E é esse eu desconhecido que brinca com as palavras, deleita-se com as próprias histórias e incentiva o leitor a navegar no tempestuoso mar da literatura.

Isabel Furini - é escritora e educadora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...