quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

O gato guitarrista (Poema infantil de Isabel Furini)



O GATO GUITARRISTA 

Tobias é um gato mimado,
Ele quer ser trapezista.

Por isso está sempre treinando
E subindo no telhado.

O Tobias é um lindo gato,
Mas ele tem suas fobias.

E quando Tobias foi ao circo
Tentou subir no trapézio,

Mas começou a chorar,
Ao perceber que não conseguia.

Um velho amigo falou:
- Você pode ser guitarrista.

Tobias fez curso de música,
E o gato tinha talento.

Hoje é de um grupo de rock
E na Tv. fez um depoimento:

- Existem muitos caminhos,
Cada gato tem seu dom.

Nunca seja derrotista!
Eu queria ser trapezista...

Mas hoje sou muito feliz,
pois sou um grande guitarrista.

Isabel Furini - e-mail: isabelfurini@hotmail.com


O poema Matreiro (por Isabel Furini)



O POEMA MATREIRO

serpenteiam no contorno do espelho
rudes palavras e kafkianas metáforas
e surge um poema
(pungente)
composto de versos matreiros
e símbolos agoureiros

esse poema está gravado com tinta e canivete
na escura superfície da barca de Caronte.

Isabel Furini

Sementes (Poema de Isabel Furini)

SEMENTES 

cinzelar
as silenciosas sementes
poéticas
nascidas no limiar
do mundo do inconsciente
onde a inquietação
e as fobias
produzem fragilidades
e versos.

Isabel Furini

Asfixia - Poema de Isabel Furini

ASFIXIA 

obstaculiza os alvéolos pulmonares
essa fumaça densa
e tenebrosa
que se desprende da Poesia
e faz que a alma mergulhe
no incomensurável oceano das emoções.

Isabel Furini

Fotografia de Isabel Furini - Kirkland (Estados Unidos)

domingo, 10 de dezembro de 2017

O Grilo e o Dr. Besouro (Poema Infantil de Isabel Furini)



O GRILO E O DOUTOR BESOURO

O grilo sempre canta
Antigas e belas canções.
Ele mora em um jardim
Bonito – cheio de flores.
Sua música alegra
As rosas e os jasmins.

Mas um dia o pobre grilo
Acorda com afonia
Tenta cantar… Tenta e tenta...
Mas, não consegue.
O Grilo vai até a casa
Do sábio doutor Besouro.
- Abra a boca - fala o Besouro
E ao olhar essa garganta
O doutor Besouro se espanta.

O médico com calma, fala:
 - Você precisa descansar
Essa, sua voz de tenor.
Durante uma semana
Você ficará na cama,
Quentinho sob um cobertor,
Longe da chuva e do Sol.

- Precisa tomar este remedio
E para não morrer de tédio
Pode assistir televisão.
O grilo é obediente
e cura rapidamente.

Ele aprende uma lição,
e quando faz frio
o grilo fica sob o cobertor.

Isabel Furini

Fotografia de Isabel Furini

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Noite de Natal (Poema de Isabel Furini)

Meu Natal é de alegria
porque a família está reunida.
Minha tia declama poesias
e o meu tio canta pagode.

Enquanto meus avôs
comem torta e panetone.
O Papai Noel entra pela janela,
na esquina ficam as renas.

Relâmpago e Trovão
são mais velozes que um avião.
As renas podem voar
são renas muito divertidas.

Mamãe e papai
distribuem os presentes.
Meus irmãos e eu
estamos muito contentes.

Poema de Isabel Furini


Fotografia de Isabel Furini

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Corvos - Poemas de Isabel Furini


CORVOS

traçam linhas
e círculos 
e desenham versos
com letras arcaicas
e inspiram versos
aos poetas tristes
e aos poetas misantropos

corvos – estrelas da constelação da sede eterna
corvos
corvos –  tristes
corvos
corvos – poetas do espaço vazio
corvos 
corvos – misantropos
corvos
corvos – com almas de cavernas
corvos
corvos – desolados e enternecedores
corvos
corvos – divertem-se com bicicletas mágicas
corvos
corvos – poetas - artistas - profetas 
corvos
corvos – mapas e ampulhetas das horas 
corvos
corvos  –  arúspices do mundo.

Isabel Furini
CORVOS II - Poema de Isabel Furini

Sob o olhar dos corvos os nervos a flor de pele
sobressaltos
ohos de noite e de gatos
esse vento do destino roaçando os ombros
e a calma depois do naufrágio
o mundo volta a girar compassado
(canções de amor em um abraço 
prolongado).

Isabel Furini
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...